A nova “normalidade” pandêmica trouxe diversas problemáticas inéditas ou veladas existentes em nossa sociedade. No campo da educação, certamente tivemos a questionada transição para o ensino à distância, destacando temas como abismos sociais e saúde mental. A realidade é que milhões de estudantes e educadores se tornaram reféns subitamente de um novo modelo, e assim passaram a conhecer e sofrer as consequências simultaneamente.

De acordo com pesquisas realizadas pela organização e portal Nova escola, apenas 8% dos 8,1 mil profissionais de educação básica entrevistados afirmam ter a saúde emocional “ótima” comparada ao período pré-pandemia.

Professores se dizem “Com medo, preocupados, ansiosos e angustiados” e essa tem sido a nova “pseudo-normalidade”. Em meio a todos esses adjetivos, os educadores passaram a viver questionamentos sobre sua eficiência e o futuro de sua profissão, esforços herculanos e diários visam minimizar o prejuízo da educação nesse período de distanciamento social, sobrecarregando-os e muitas vezes em vão. Consequentemente surge a frustração e o sentimento de culpa, por seus resultados serem a falta de engajamento ou simplesmente “microfones desligados”. Assim, todo esse frenesi de emoções culmina no desenvolvimento de doenças como a depressão, ansiedade, síndromes de “Burnout” e impostor.

Com relação aos alunos o panorama não muda muito, e vemos as mais diversas reações: Desinteresse, indiferença, sobrecarga e tentativa de minimizar prejuízo educacional, assim como seus docentes. O distanciamento social apenas potencializou a difícil realidade da saúde emocional dos estudantes. Em 2016, de acordo com a Universidade Federal do ABC, 17,92% dos trancamentos foram justificados como “Questões psicológicas”, dados semelhantes se repetem em outras universidades. Aliado a isso, em pesquisa realizada pela psicóloga Karen Graner com discentes da área de saúde, o sofrimento psíquico atinge 30% dos estudantes brasileiros, com o aumento para 49,1% em escala mundial. Dessa maneira, o sofrimento apenas se intensificou com o isolamento e, obviamente, as 145.987 mortes até o momento.

Ainda assim, não crucifiquemos o “EAD”. Em um contexto não pandêmico onde o ensino à distância era opção, 79% dos alunos dessa categoria o classificavam como “excelente” ou “bom” de acordo com o portal “Quero Bolsa”, e destacavam a flexibilidade da carga horária, mensalidades mais acessíveis e localização do polo presencial como suas principais vantagens.

Portanto, não podemos determinar o ensino online como inefetivo e maléfico. A tecnologia se tornou a maior ferramenta de transformação do homem, é capaz de adicionar e revolucionar a indústria da educação. Trata-se apenas do direito de escolher, que nos foi suprimido devido ao cenário pandêmico.

Destarte, reflitamos sobre o atual contexto, não há culpados. Diariamente ingressamos na batalha de adaptação referente a esse novo sistema, todos nós, salvo raras exceções, estamos sofrendo e aprendendo a lidar com esse novo “momento”, jamais chamemos de “novo normal”. Fato é que falta o contato olho no olho, pele na pele, toque, urgimos por humanidade, comunicação… E não essa digital, por olhos virtuais e microfones de qualidade duvidosa. Falo de olhar para o aluno e se ver ali, falo de olhar para o professor e ver um exemplo, relações empáticas.

Assim como Elis e Belchior, já faz tempo que não vejo alguém na rua, cabelo ao vento, gente jovem reunida, mas digo que ainda há perigo na esquina, portanto tomemos cuidado. Estamos exauridos, porém vivos.

Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.