Gracias a la pelota


“Acordei animado naquele dia. Eu era bem moleque ainda, devia ter uns 13 anos, e era dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo. Pela primeira vez, eu poderia assistir a um Brasil x Argentina em pleno mundial, todos estávamos ansiosos, exceto por uma coisa, na verdade, alguém: Diego Armando Maradona.” “Lembro bem meu […]


“Acordei animado naquele dia. Eu era bem moleque ainda, devia ter uns 13 anos, e era dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo. Pela primeira vez, eu poderia assistir a um Brasil x Argentina em pleno mundial, todos estávamos ansiosos, exceto por uma coisa, na verdade, alguém: Diego Armando Maradona.”

“Lembro bem meu pai, Flamenguista ferrenho, reclamando a todo momento do Lazaroni, técnico da seleção naquela época, mas ainda assim esperançoso com uma vitória brasileira. Ele torcia para que aquela fosse a copa de encerramento do jejum de títulos mundiais do Brasil. (Estava 4 anos adiantado, mas não vou criticar o “véio”)”

“Chegou a hora do jogo, fomos eu e meu pai para a casa de um amigo dele que tinha televisão. Tudo como manda o figurino, samba alto, cerveja trincando e todo mundo cantando vitória, exceto por uma coisa, na verdade, alguém: Diego Armando Maradona.”

“Bola rolando, jogo pegando, Brasil desperdiçando uma oportunidade no fim do primeiro tempo. Até o momento, aquele parecia o melhor jogo da seleção em toda copa, mas, como o próprio Galvão Bueno contou anos depois “O Pelé, que era meu comentarista na época, chegou no meu ouvido e disse: Entende, o Brasil desperdiçou a chance do jogo, nós estamos bem. Mas para o segundo tempo eles têm Maradona, entende?”. Não à toa, o rei profetizou, aos 86 minutos, Maradona recebe a bola cercado de 4 brasileiros, dispara sendo perseguido pelo volante canarinho, que exclamava “Quebra! Quebra!”, os três beques brasileiros prontamente chegam duro no atacante argentino, que elegantemente rola a bola para Caniggia driblar Taffarel e fazer o gol da classificação “hermana”.”
“O samba virou chorinho, a cerveja esquentou e todos praguejavam apenas uma coisa, na verdade, alguém: Diego Armando Maradona”

A morte de Maradona é, sem dúvidas, um soco no estômago de todo fã de esporte. Rival atemporal do rei Pelé e amado por todo o mundo devido ao seu imensurável talento e personalidade irreverente, hoje o futebol mundial perdeu um de seus gigantes. Deus na Argentina, rei na Itália e mito na Espanha, grande figura dentro e fora dos gramados por conta de sua postura política ativa. Você agradeceu à bola em sua lápide, mas eu, mero mortal, digo: O futebol que te agradece, Diego.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser totalmente anônimo, tá?


  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciamos as notas, reportagens curtas sobre temas relacionados às eleições de segundo turno.

  • A falta da política externa

    A falta da política externa

    , ,

    Às vésperas da eleição mais importante desde a redemocratização, e ainda sob efeito da ressaca moral que assola o país após o clássico debate presidencial da Rede Globo, a ausência da política externa como pauta de discussão demonstra o enorme apequenamento do Brasil.

  • Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam  apoio militar na Ucrânia

    Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam apoio militar na Ucrânia

    , , ,

    Muitos americanos pensam que Biden deveria se apressar e encontrar um acordo diplomático. Mas para os apoiadores da Ucrânia, seja à esquerda ou à direita, a resposta é que Biden se apresse e vença, dando à Ucrânia mais ajuda militar e aceitando mais riscos.

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nós seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.