O método Montessori foi criado pela pedagoga, música e educadora italiana Maria Montessori. Foi primeiramente aplicado nas escolas infantis italianas e, posteriormente, espalhou-se por várias instituições ao redor do mundo.

A educadora desenvolveu seu método para fazer com que a infância e suas características, além da individualidade, responsabilidade e autonomia da criança, fossem valorizadas.

Montessori visa contribuir com o desenvolvimento das crianças sem interferir diretamente nele, assim como na educação tradicional. Dentro desta metodologia, a criança pode ser estimulada a adquirir conhecimentos a partir de diferentes atividades com graus de dificuldades gradativos, sem haver uma grande interferência do professor e/ou adulto, pois ela pode ser prejudicial e o ritmo de cada indivíduo deve ser respeitado.

Maria Montessori estruturou, em seus estudos, seis pilares fundamentais para entender o desenvolvimento da criança. Eles são:

Adulto preparado: observar e não interferir. O adulto deve fornecer à criança um ambiente preparado e a assistência necessária para que ela consiga realizar, sozinha, tudo o que estiver em seu alcance. Deve manter-se por perto para orientar e incentivar a investigação, mas respeitando e permitindo que a criança conheça suas dificuldades e habilidades.

“A tarefa do professor é preparar motivações para atividades culturais, num ambiente previamente organizado, e depois se abster de interferir” Maria Montessori.

Ambiente organizado: para Montessori, com a organização da vida material, também se organiza o pensamento de maneira autônoma. O processo de arrumação do ambiente ocorre com o auxílio de adultos. Os espaços devem ser equipados com móveis da altura da criança, permitindo, assim, que ela tenha acesso a brinquedos e outros materiais por conta própria, sem precisar de auxílio.

“Para ajudar uma criança, devemos fornecer-lhes um ambiente que lhes permita desenvolver-se livremente” Maria Montessori.

Autoeducação: Se a criança estiver inserida em um ambiente rico e saudável, ela se desenvolverá sozinha. Crianças têm a habilidade natural de aprender através do contato com indivíduos de seu meio – como exemplo, a forma como aprendem a falar, andar, comer – então é normal vermos, em escolas que adotam o método Montessori, crianças de diferentes idades brincando ou fazendo atividades juntas, pois, assim, elas estimulam umas as outras. As mais novas espelham-se nas mais velhas e as mais velhas desenvolvem um olhar empático e cuidadoso em relação às mais novas, o que será levado às próximas fases de seu desenvolvimento.

“Nunca ajude uma criança enquanto ela estiver executando uma tarefa na qual, ela sente que pode ser bem sucedida” Maria Montessori.

Educação como ciência: buscar conduzir a aula como se conduz um projeto científico. Assim, os conteúdos não são apenas transmitidos pelos professores para os alunos, em um processo mecânico. O aprendizado é construído por toda a turma, em conjunto, e o professor possui uma liderança participativa. Assuntos novos são descobertos por todos em um trabalho de investigação, discussão e raciocínio, sempre valorizando a autonomia do aluno e o coletivo como um todo.

Educação cósmica: para que os conteúdos escolares façam sentido, eles devem estar relacionados em um todo maior, fazendo com que tudo se misture. Se divididos, os conhecimentos ficam sem uma funcionalidade e/ou valor para a vida prática, então o educador precisa mostrar aos alunos os caminhos lógicos de compreender o mundo, estimulando sua criatividade e assimilando informações.

Criança equilibrada: desenvolvendo-se naturalmente, a criança consegue se concentrar e respeitar a concentração do outro. Sendo assim, ela demonstra ser um indivíduo calmo, empático, responsável e que possui autocontrole para lidar com pessoas e coisas.

“A inteligência da criança observa amando e não com indiferença – isso é o que faz ver o invisível” Maria Montessori.

As escolas que adotam o método montessoriano possuem suas próprias características. Elas são baseadas nos princípios defendidos pela educadora:

– Diferentes estágios de aprendizagem, conforme o ritmo e o interesse dos aprendizes;

– Utensílios do cotidiano são utilizados no processo de aprendizagem;

– Estudantes têm papel ativo no aprendizado;

– Currículo multidisciplinar, que permite trabalhar um conteúdo a partir de diferentes disciplinas;

– Salas com alunos de diferentes idades;

– Estímulo ao autoconhecimento e à autodisciplina.

Esse método ficou muito famoso recentemente pelos móveis de quartos infantis – camas que imitam casinhas, pequenas mesas e tudo no alcance das crianças. Sua ascensão é muito importante, pois ele pode ser adequado para a educação de diversas crianças, mas é preciso ressaltar que ele deve ser estudado e aplicado de maneira correta, não apenas usado como decoração.