França proíbe manifestações em Paris em conexão com a escalada de conflitos no Oriente Médio


O Ministro da Defesa francês, Gérald Darmanin, anunciou na última quinta-feira (13) que manifestações em conexão com a escalada de conflitos no Oriente Médio, sobretudo na região Palestina, estão proibidas em Paris, capital da França. Em sua rede social, o ministro afirmou que, sete anos atrás, ocorreram protestos em solo francês em revolta a situações […]


O Ministro da Defesa francês, Gérald Darmanin, anunciou na última quinta-feira (13) que manifestações em conexão com a escalada de conflitos no Oriente Médio, sobretudo na região Palestina, estão proibidas em Paris, capital da França.

Em sua rede social, o ministro afirmou que, sete anos atrás, ocorreram protestos em solo francês em revolta a situações semelhantes, os quais geraram “desordem pública” em sua opinião. Os protestos a que ele se refere ocorreram em Paris contra as ações de Israel na Faixa de Gaza. Tumultos ocorreram nas ruas parisienses e grupos de extrema-direita aproveitaram a situação para realizar ataques antissemitas – houve um ataque a uma sinagoga e a vários negócios de rua cujos donos eram judeus.

Darmanin indicou que pediu à polícia da prefeitura de Paris que proíba tais manifestações e que representantes políticos estejam “atentos” às possíveis marchas e protestos nesse sábado, que é a data histórica do êxodo palestino, conhecido como Nakba – o nome significa “catástrofe” ou “desastre” em árabe. Nesse dia, mais de setecentos mil palestinos foram expulsos de seus lares em razão da Guerra Árabe-Israelense. O êxodo também marca o início histórico do genocídio palestino.

Também é necessário relembrar que, neste ano, o Senado francês votou a favor da proibição do uso do hijab – uma vestimenta ligada à religião islâmica – para meninas menores de idade. A justificativa dos parlamentares é de que dogmas religiosos não devem ser impostos aos jovens.

Uma mulher usa o hijab em frente a Torre Eiffel, em Paris. | Fotografia por: Gonzalo Fuentes, para REUTERS.

A decisão do Senado francês vem como parte da pressão de Paris para apresentar um projeto de lei chamado “anti-separatismo”, que afirma ter como objetivo fortalecer o sistema secular do país. Mas os críticos denunciaram, argumentando que exclui a minoria da população muçulmana. Enquanto debatiam a proposta de lei em março, os senadores aprovaram uma emenda ao projeto de lei pedindo a “proibição no espaço público de qualquer sinal religioso conspícuo por menores e de qualquer vestido ou roupa que significasse inferioridade das mulheres sobre os homens”.

O lugar da religião e dos símbolos religiosos usados ​​em público é um assunto de longa controvérsia na França, um país fortemente secular e lar da maior minoria muçulmana da Europa. O país proibiu o uso de lenços islâmicos em escolas públicas em 2004. Em 2010, proibiu o niqab – o véu islâmico completo – em locais públicos como ruas, parques, transporte público e prédios administrativos. A emenda aplica-se a todos os símbolos religiosos, embora os oponentes digam que tem como alvo os muçulmanos.



Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.