Polícia francesa bate de frente com manifestações pró-Palestina em Paris.


Reportamos posteriormente que o Ministro da Defesa francês, Gérald Darmanin, havia proibido manifestações em conexão aos recentes conflitos no Oriente Médio, em específico, na região da Palestina e da Faixa de Gaza. Ontem, sábado (15), a polícia parisiense disparou gás lacrimogêneo e apontou canhões de água contra os manifestantes que desafiavam a decisão de Darmanin. Centenas […]


Reportamos posteriormente que o Ministro da Defesa francês, Gérald Darmanin, havia proibido manifestações em conexão aos recentes conflitos no Oriente Médio, em específico, na região da Palestina e da Faixa de Gaza.

Ontem, sábado (15), a polícia parisiense disparou gás lacrimogêneo e apontou canhões de água contra os manifestantes que desafiavam a decisão de Darmanin. Centenas reuniram-se nas ruas de Paris para marchar contra os ataques israelenses em Gaza.

O chefe de polícia de Paris, Didier Lallement, ordenou que mais de quatro mil forças de segurança fossem às ruas e fechassem lojas perto do ponto inicial da marcha em um bairro de classe trabalhadora depois que um tribunal administrativo confirmou a proibição por temor de violência. As autoridades observaram que um protesto pró-palestino que ocorreu em 2014 acabou gerando ondas de violência na capital, então utilizaram-no para justificar a ordem.

Uma pessoa segura uma placa com os dizeres “Paz e amor para a Palestina” em um protesto na cidade de Paris. | Fotografia por: REUTERS/Benoit Tessier

Os organizadores da marcha buscaram “denunciar as últimas agressões israelenses” e marcar a fuga dos palestinos – dia que ficou conhecido como Nakba. “Fim da anexação. Palestine Will Vanquish ”, dizia um pôster em meio a uma pequena multidão enfrentando a polícia.

A raiva com a ofensiva israelense em Gaza gerou protestos em outras partes da Europa no sábado. Milhares marcharam em direção à Embaixada de Israel em Londres para protestar contra os ataques de Israel, que incluíram um ataque aéreo que destruiu um prédio de 12 andares em Gaza que abrigava meios de comunicação e imprensa, incluindo a Associated Press e a Al Jazeera. Vale ressaltar que atacar a imprensa em um conflito pode ser considerado como um crime de guerra.

Os manifestantes íam de bairro em bairro, em Paris, quando a polícia os cercou, às vezes com gás lacrimogêneo e canhões de água. A polícia disse que 44 pessoas foram presas. Em um longo impasse, os manifestantes lançaram projéteis contra uma linha de forças de segurança antes que a polícia os empurrasse para o norte de Paris.

Outras centenas de pessoas também participaram de protestos autorizados em outras cidades francesas, incluindo Lyon e Marselha, que ocorreram pacificamente. Essas marchas ecoaram em todo o mundo, de Sydney a Madrid, em meio a dias de conflito entre Israel e militantes em Gaza.

Na Holanda, algumas centenas de pessoas em Haia enfrentaram o frio e a chuva para ouvir discursos e agitar bandeiras palestinas em uma praça central em frente ao prédio do parlamento holandês. Na noite de sexta-feira, a polícia holandesa deteve brevemente cerca de cem manifestantes pró-palestinos na cidade de Utrecht porque não estavam cumprindo o distanciamento social, medida sanitária ainda em vigor no país.



Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.