Um drone “letal e armado” caçou um alvo humano sem ser instruído a fazê-lo pela primeira vez, de acordo com um relatório das Nações Unidas visto pelo New Scientist.

O drone, um quadricóptero KARGU-2, produzido por uma empresa de tecnologia militar turca, foi o responsável por perseguir um humano de maneira autônoma pela primeira vez em março do ano passado, durante um conflito entre as forças do governo líbio e uma facção militar separatista liderada por Khalifa Haftar, comandante do Libyan National.

O drone, que foi projetado justamente para guerras e operações antiterroristas, pode ser direcionado para detonar no momento do impacto, estava operando em um modo autônomo “altamente eficaz” que não exigia nenhum controlador humano, disse o New York Post. O drone é equipado com uma carga explosiva e o drone pode ser direcionado a um alvo em um ataque kamikaze, detonando automaticamente o impacto.

“Os sistemas de armas autônomos letais foram programados para atacar alvos sem exigir conectividade entre o operador e a munição: em vigor, um verdadeiro” fogo, esquecer e encontrar “capacidade”, disse o relatório do painel de especialistas do Conselho de Segurança das Nações Unidas na Líbia.

Em uma passagem, o relatório detalha como Hafthar’s foi “caçado” e como eles fugiam da região por conta de drones KARGU-2, que operavam em um modo autônomo “altamente eficaz”, não exigindo controlador humano.

O sistema de armas autônomas letais “foram programados para atacar alvos sem exigir conectividade de dados entre o operador e a munição: na verdade, uma verdadeira capacidade de ‘disparar, esquecer e encontrar”, afirma o relatório.