O governo dos Estados Unidos recebeu uma permissão limitada de apelar a decisão de bloquear a extradição do co-fundador do WikiLeaks, Julian Assange, do Reino Unido para os Estados Unidos. Em 4 de janeiro de 2021, o Supremo Tribunal da Grã-Bretanha decidiu que o governo norte-americano poderia apelar em alguns pontos, mas não em todos os solicitados pela acusação. Agora, uma audiência preliminar foi agendada para 11 de agosto, no Royal Courts of Justice de Londres, para discutir o recurso.

Espera-se que Assange compareça. Após essa audiência, o Tribunal Superior marcará uma data para ouvir os argumentos completos do recurso.

O governo dos Estados Unidos apresentou cinco linhas de argumento para seu apelo da decisão de extradição, e duas delas foram negadas.

Será permitido argumentar que a juíza aplicou ‘erroneamente’ a seção 91 da Lei de Extradição de 2003 – lei do Parlamento do Reino Unido que regulamenta os pedidos de extradição por e para o Reino Unido – que alega que alguém não pode ser extraditado se a “condição física ou mental da pessoa for tal que seria injusto ou opressor extraditá-la”.

A acusação também afirma que a juíza Vanessa Baraitser deveria ter notificado o Departamento de Justiça dos Estados Unidos de que considerava a extradição injusta ou opressiva, de modo que ela poderia ter fornecido “garantias ao Tribunal” com antecedência.

O Tribunal Superior negou o pedido do governo norte-americano de apelar, alegando que o testemunho do professor Michael Kopelman deveria ter sido considerado inadmissível. Kopelman é um psiquiatra que avaliou Assange e determinou que ele estaria em risco de suicídio se sua extradição fosse ordenada. O tribunal também negou o pedido da acusação de argumentar que a juíza errou em sua avaliação geral das evidências de que Assange estaria em risco de suicídio.

No dia 11 de agosto desta semana, quarta-feira, o Tribunal Superior realizará uma audiência preliminar para as partes discutirem esses dois últimos fundamentos.

O governo norte-americano pretende dar “garantias” de que se Assange for extraditado para os Estados Unidos, ele não será colocado na prisão de segurança máxima, Supermax ADX Florence, e não estará sujeito a Medidas Administrativas Especiais (SAMs). Mas essas garantias incluem ressalvas que as tornam sem sentido: de acordo com seu próprio processo, os Estados Unidos ainda podem usar essas medidas se decidir que Assange “faça [es] algo subsequente à oferta dessas garantias que atenda aos testes para a imposição de SAMs ou designação para ADX”. Em relação a isso, a Anistia Internacional afirma: “Tal latitude para alterar os termos das garantias essenciais após a transferência de Assange para os Estados Unidos torna-as irrelevantes desde o início, uma vez que permaneceria em risco de maus tratos na detenção nos Estados Unidos no momento da transferência e posteriormente.”


Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.