A maturidade que tinha para hoje


Se a perguntassem por que estava começando aquele novo emprego, responderia apenas que precisava do dinheiro. Desafios e mudanças, para ela, são formas de ascensão e de uma consequente prosperidade monetária. Assim mesmo, como quem dá respostas enormes e não sabe que o núcleo está vazio. Uma nova empresa, com um cargo acima do anterior […]


Se a perguntassem por que estava começando aquele novo emprego, responderia apenas que precisava do dinheiro. Desafios e mudanças, para ela, são formas de ascensão e de uma consequente prosperidade monetária. Assim mesmo, como quem dá respostas enormes e não sabe que o núcleo está vazio. Uma nova empresa, com um cargo acima do anterior era o jeito de tapar o buraco do comodismo e as vozes dominantes que vinham dele. Vozes apontam? Vozes julgam? Muitas vozes das mais diversas empreitadas surgiam conduzindo-a para a fronte dos que vivem. Não sabia ao certo precisar de onde e nem para que, mas a eterna sensação de estar em débito com o que deveria ser feito e não foi fazia-a agir, ainda que lentamente. “Crescer dá um certo trabalho”, dizia uma das vozes mais corriqueiras. O momento exato do presságio de um ganho, por menor que fosse, desabrochava uma sensação de poder, mesmo que pequena. “Ganhei!”, exclamava. Em seguida, o ar de satisfação tão passageiro quanto um sopro. Tinha vezes que era mais suficiente que conquistar, pois tinha uma conotação de especial, impressões de merecimento e de ser escolhido pelo universo. E dá-lhe mais poder. Na conquista, sentia capacidade e inteligência: “eu me esforcei”, “eu corri atrás(?) e consegui”. E como, às vezes, parece existir alguém em algum lugar que aparenta dizer: “veja bem, coitada, já sofreu muito. Jogue aí suas migalhas de incentivo transcendental e ampare logo essa pobre sofredora que mais uma pancada eu não sei se ela aguenta não, hein?” E, como algum milagre, boas coisas aconteciam. Mas, como a vida não está para brincadeira, depois do ritual do pódio, mais responsabilidades e obrigações.

Numa dessas transições, o arrependimento das escolhas. Na verdade, o arrependimento era apenas a conclusão das leituras das sensações que a acometiam. Sentia pressão, assombro não experienciado anteriormente. Achava-se imatura para o desenrolar da vida. Não a ocorria pensar que, desde que havia nascido, sofrera pressões que desaguavam em novas experiências. Ela só não se dava conta porque, depois, a pressão virou transformação em uma nova persona, o que trouxe a segurança que lhe era familiar. De ímpeto, desistir sempre era o melhor caminho.

Em um desses dias de tensão, ficou duas horas e quarenta e quatro minutos em chamada de vídeo com uma amiga. Entre risadas e profundas reflexões, conversaram sobre a necessidade de se conhecer a ponto de saber os próprios limites e para que houvesse aproximação àquilo de que se gosta, ainda que fazendo coisas das quais não gostavam. Elas conversavam em um tom meio psicanalítico, coisa de gente que assiste a alguns vídeos no Youtube e se acha no direito de falar sobre um tema específico sem considerar a sua própria razoabilidade diante do assunto. Mas, antes que você sinta dó, elas diziam que era só performance. E, a propósito, falaram muito sobre o quanto performavam diariamente nesse mundão, porque há uma galera que não tolera que você se apresente de cara limpa e diga sinceramente que não pretende e nem quer se adequar. Ambas gostariam de ser aquela gente que nasce com seus roteiros de vida escritos e com um ar de que sabem exatamente o que estão fazendo. E cumprem-nos, claro, com devoção, ainda que nunca os questionem. Entre momentos espaçados de questionamentos intermináveis, vislumbravam a minha própria complexidade e perdiam-se sem nunca sequer terem se achado. Entre recuar e continuar, optavam, às vezes, por recalcular a rota e, dependendo do desdobrar da vivência, escolhiam um ou outro. -“Nada era tão certo assim que não pudesse ser repensado”, dizia a analista. Até que, num dia desses, surgiu uma voz diferente: “Não tem script, sua anta. Só escolhe.”



Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.