Tropas israelenses mataram um palestino e feriram outros durante um protesto contra assentamentos israelenses ilegais na Cisjordânia ocupada, disseram o Ministério da Saúde palestino e médicos. Imad Ali Mohammad Dweikat, 38, foi baleado por “uma bala viva no peito” na cidade de Beita e foi declarado morto no hospital nas proximidades de Nablus, disse o ministério em um comunicado na sexta-feira.

Beita vê manifestações regulares contra a ocupação israelense ilegal e a expansão dos assentamentos, que levam muitas vezes a confrontos. Os militares israelenses disseram na sexta-feira que 700 palestinos se reuniram ao sul da cidade palestina de Nablus, queimando pneus e jogando pedras e bombas de gasolina contra as tropas e a polícia de fronteira.

As forças israelenses “responderam com meios de dispersão de motins”, disseram os militares em um comunicado. “Estamos cientes de relatos de que um palestino foi morto e vários palestinos ficaram feridos.” O serviço de ambulância do Crescente Vermelho Palestino disse que 21 outros palestinos foram baleados por soldados israelenses, a maioria deles com balas com ponta de borracha. Outros foram tratados por inalação de gás lacrimogêneo, informou a agência em um comunicado.

Na sexta-feira passada, cerca de 270 palestinos foram feridos em confrontos com tropas israelenses durante protestos em Beita e durante o funeral de um jovem palestino morto no dia anterior, informou o Crescente Vermelho Palestino. Em 23 de julho, 320 palestinos foram feridos ou sofreram inalação de gás lacrimogêneo em confrontos com as forças israelenses em Beita, disseram médicos.

Um adolescente baleado pelas forças israelenses morreu posteriormente devido aos ferimentos. A Cisjordânia ocupada está entre os territórios onde os palestinos buscam a condição de Estado. A violência cresceu lá desde que as negociações patrocinadas pelos Estados Unidos entre os palestinos e Israel foram interrompidas em 2014.

Os palestinos têm feito protestos quase diários em Beita, ao sul de Nablus, para expressar raiva contra um posto avançado de colonos israelenses ilegais nas proximidades. Os colonos concordaram em deixar o posto avançado em julho sob um acordo com o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett, após semanas de manifestações de palestinos acendendo fogueiras que frequentemente envolviam o posto avançado em fumaça. Mas alguns dos edifícios do posto avançado permaneceram, trancados e sob guarda militar.

Os palestinos, que reivindicam as terras do posto avançado, decidiram continuar suas manifestações. Israel ocupou a Cisjordânia durante a Guerra dos Seis Dias de 1967 e todos os assentamentos judeus lá são considerados ilegais pela maioria da comunidade internacional. Quase meio milhão de pessoas vivem em assentamentos israelenses ilegais na Cisjordânia ocupada, ao lado de 2,8 milhões de palestinos.

Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.