A Suprema Corte de Londres permitiu que os Estados Unidos contestassem uma avaliação psiquiátrica de Julian Assange, fundamental em uma decisão judicial anterior que recusou o pedido de Washington de extraditá-lo para julgamento.

O processo de apelação desta quarta-feira é o mais recente desenvolvimento no esforço contínuo do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para extraditar Assange para ser julgado em solo americano por supostos crimes relacionados a computadores.

A juíza britânica Vanessa Baraitser recusou o pedido em janeiro por motivos humanitários, determinando haver um alto risco de Assange tirar a própria vida se ela concordasse com sua extradição. Testemunhos do psiquiatra Michael Kopelman sobre o mau estado da saúde mental do australiano foram cruciais no caso.

Os Estados Unidos foram autorizados a contestar a decisão do Tribunal Distrital em três pontos e querem prosseguir com mais dois argumentos. Uma de suas linhas extras de ataque, concedida pelo Lord Justice Tim Holroyde, foi buscar a rejeição dos testemunhos de Kopelman, devido ao fato de que ele inicialmente ocultou a relação de Assange com Stella Moris e o fato de que eles tinham dois filhos juntos.

Clair Dobbin, que representa o lado norte-americano, argumentou que o professor enganou o tribunal e que sua opinião sobre o estado de espírito de Assange deveria ter sido rejeitada pela juíza Vanessa Baraitser.

O nome da parceira de Assange não era público no momento do depoimento inicial de Kopelman, mas tornou-se conhecido antes de a decisão ser aprovada. O perito da defesa relatou a paternidade de Assange e disse, quando pressionado pelo lado dos Estados Unidos durante as audiências de extradição, que não revelou a identidade de Moris por respeito à privacidade dela. Baraitser decidiu ao rejeitar o pedido de extradição que, embora Kopelman tenha enganado o tribunal, ele não falhou em seu papel de testemunha imparcial.


Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.