Eleições alemãs: o erro dos conservadores e a posição de Merkel


Na última semana, algumas novidades na disputa pelo governo alemão: pesquisas indicam amplo favoritismo por Scholz e escancaram o erro na escolha do candidato conservador, assim como Angela Merkel entra no pleito buscando uma recuperação de seu partido.


As eleições para o chamado Bundestag, o parlamento alemão, foi o tema da minha coluna da última semana, e algumas novidades aconteceram ao decorrer dos últimos dias. Novas pesquisas mostram que a candidatura de Olaf Scholz pela SPD continua avançando, enquanto a CDU de Laschet perde eleitores.

O drama dos conservadores aumenta com as pesquisas mostrando que, se os alemães fossem escolher diretamente um nome, Laschet não seria nem mesmo o segundo colocado, ficando atrás de Baerbock, a candidata do Partido Verde. É importante ressaltar que a votação é pelo partido/coalizão, e não diretamente no nome desejado para chanceler.

A má escolha tomada pela CDU fica ainda mais clara quando se compara a popularidade de Laschet, o candidato escolhido, com a de Söder, que atualmente ocupa o cargo de ministro-presidente da Baviera e disputou com Laschet numa espécie de primárias dos conservadores. Enquanto Laschet tem 11% da preferência, frente a 29% de Scholz, Söder teria uma liderança folgada: 39% a 22%.

A má escolha tomada pela CDU fica ainda mais clara quando se compara a popularidade de Laschet, o candidato escolhido, com a de Söder, que atualmente ocupa o cargo de ministro-presidente da Baviera e disputou com Laschet numa espécie de primárias dos conservadores. Enquanto Laschet tem 11% da preferência, frente a 29% de Scholz, Söder teria uma liderança folgada: 39% a 22%.

Essas discrepâncias acontecem pois apesar de ser representante a União, a coalizão de Merkel, Laschet lembra pouco a chanceler e não é visto como alguém de continuidade a suas políticas, sendo alguém que nunca participou diretamente do governo de Merkel, enquanto Scholz é atualmente seu Vice-chanceler e já foi o Ministro do Trabalho e Assuntos Sociais, passando ao povo alemão uma imagem de moderado e de sucessor natural de Merkel, apesar de estar mais à esquerda no campo político.

Scholz também tem como vantagem sua atuação nos debates, se saindo claramente melhor que seus adversários, em especial Laschet, que parece já não acreditar em sua candidatura após tantos erros cometidos no processo. A estratégia da CDU vem sendo algo clássico da direita global, apesar da imagem de moderação que o partido conservador alemão tem construído com Merkel ao longo dos anos: associar o adversário da esquerda moderada à política de extrema-esquerda, ao descontrole de gastos e à irresponsabilidade no trato econômico. O fato de Scholz não descartar uma coalizão com o partido mais à esquerda, o DIE LINKE, que é herdeiro dos comunistas da Alemanha Oriental vem sendo a principal arma, até mesmo Merkel se posicionou, algo que não é de seu costume fazer nas eleições e pode influenciar os resultados: a chanceler tem 89% de aprovação dos alemães, algo incrível de se conquistar após 16 anos no cargo. Merkel declarou em entrevista: “Há uma enorme diferença entre mim e Scholz”, justamente pelo fato da possibilidade de coalizão com A Esquerda, que é muito rejeitada pela população alemã.

Apesar da propaganda, a coalizão não é a mais provável, sendo possível negociar. Quem não deve ficar fora de um governo do SPD são os Verdes, a questão é que as pesquisas não indicam ser possível um governo comandado apenas pelos dois partidos. Nessas polêmicas, o FDP, partido liberal, se fortalece e abre brecha para uma possível coalizão semáforo – SPD (vermelho), Verdes (verdes, é claro) e FDP (amarelo).

Se interessou pelas eleições alemãs? Acompanhe as colunas, em breve trago mais atualizações! Há alguns outros locais onde notícias vêm sendo publicadas em português: o site DW Brasil e o perfil no Twitter, @eleicoesalemas.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser totalmente anônimo, tá?


  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciamos as notas, reportagens curtas sobre temas relacionados às eleições de segundo turno.

  • A falta da política externa

    A falta da política externa

    , ,

    Às vésperas da eleição mais importante desde a redemocratização, e ainda sob efeito da ressaca moral que assola o país após o clássico debate presidencial da Rede Globo, a ausência da política externa como pauta de discussão demonstra o enorme apequenamento do Brasil.

  • Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam  apoio militar na Ucrânia

    Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam apoio militar na Ucrânia

    , , ,

    Muitos americanos pensam que Biden deveria se apressar e encontrar um acordo diplomático. Mas para os apoiadores da Ucrânia, seja à esquerda ou à direita, a resposta é que Biden se apresse e vença, dando à Ucrânia mais ajuda militar e aceitando mais riscos.

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nós seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.