Pandora Papers: o maior vazamento de empresas offshore de todos os tempos

Os negócios secretos e ativos ocultos de algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo foram revelados no maior tesouro de dados offshore vazados da história: neste domingo, 3 de outubro, deu-se início a publicação dos Pandora Papers. A investigação foi liderada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, sigla em inglês) em parceria com mais de seiscentos jornalistas ao redor do mundo — no Brasil, participam da investigação o site Metrópoles, a Agência Pública, a Revista Piauí e o Poder360.

O consórcio recebeu mais de 11,9 milhões de registros financeiros, contendo mais de 2 terabytes de informações confidenciais de 14 provedores de serviços offshore. Entre os documentos, existem e-mails, memorandos, registros de incorporação, certificados de compartilhamento, relatórios de conformidade e diagramas complexos que mostram estruturas corporativas labirínticas.

Os 14 provedores de serviços offshore no vazamento fornecem serviços corporativos a indivíduos ou empresas que buscam fazer negócios offshore. Seus clientes procuram estabelecer discretamente empresas ou fundos em paraísos fiscais pouco regulamentados, como as Ilhas Virgens Britânicas (BVI), o Panamá, as Ilhas Cook e o estado americano de Dakota do Sul. As empresas registradas no exterior podem ser usadas para manter ativos como propriedades, aeronaves, iates e investimentos em ações e ações. Ao manter esses ativos em uma empresa offshore, é possível esconder do resto do mundo a identidade da pessoa a quem realmente pertencem, ou o “beneficiário efetivo”.

Os documentos abrangem cinco décadas, com a maioria criada entre 1996 e 2020. Eles incluem informações sobre mais de 29.000 proprietários beneficiários, os proprietários finais de ativos offshore. Isso é mais que o dobro do número de proprietários encontrados cinco anos atrás na investigação do Panamá Papers, que se baseou em um vazamento de um único escritório de advocacia.

Leia a reportagem sobre os Panamá Papers:

Embora ser proprietário de uma empresa offshore seja legal, o sigilo que ele oferece pode dar cobertura a fluxos ilícitos de dinheiro, permitindo suborno, lavagem de dinheiro, evasão de impostos, financiamento do terrorismo e tráfico humano e outros abusos dos direitos humanos.

As nações pobres são desproporcionalmente prejudicadas pelo acúmulo de riqueza em paraísos fiscais, que privam os tesouros de fundos para pagar estradas, escolas e hospitais. A investigação da Pandora Papers revela que os líderes internacionais que poderiam combater a evasão fiscal offshore moveram eles próprios secretamente dinheiro e ativos para fora do alcance das autoridades fiscais e de aplicação da lei enquanto seus cidadãos lutam.

Diversos líderes mundiais e figuras políticas proeminentes aparecem nos documentos — para os quais esta revista produzirá reportagens separadas sobre. Como exemplo, estão nos documentos o rei Abdullah II da Jordânia, os primeiros-ministros da Costa do Marfim e da República Theca, assim como os presidentes do Equador, Quênia e Gabão. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, também está em meio ao vazamento, como foi noticiado pela revista Piauí.

Os arquivos também esclarecem as negociações financeiras de chavistas na Venezuela, líderes de seitas fugitivos e seus seguidores, cleptocratas e suas famílias, neonazistas, um negociante de água mineral condenado por solicitar os assassinatos de um juiz e um promotor, um pedófilo milionário fugitivo e financiadores do terrorismo.

Gerard Ryle, diretor do ICIJ, disse que os principais políticos que organizam suas finanças em paraísos fiscais têm uma participação no status quo e provavelmente são um obstáculo para a reforma da economia offshore. “Quando você tem líderes mundiais, quando você tem políticos, quando você tem funcionários públicos, todos usando o sigilo e todos usando este mundo, então eu não acho que veremos um fim nisso.”

Ele esperava que os documentos do Pandora tivessem um impacto maior do que os vazamentos anteriores, até porque estavam chegando no meio de uma pandemia que havia exacerbado as desigualdades e forçado os governos a tomar empréstimos sem precedentes para serem arcados pelos contribuintes comuns. “Estes são os Panamá Papers em esteroides”, disse Ryle. “É mais amplo, rico e com mais detalhes.”



TEM UMA PAUTA?
ESTAMOS AQUI!

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?


Em destaque

RECENTES

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos, que busca usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança no futuro das novas gerações.