O Internet Archive tem uma “Wayforward Machine” distópica de 2046

O futuro da internet não parece promissor para muitos. O mundo digital do século vinte-um se tornou em um poço de spam, rastreamento e monitoramento, paywalls, conteúdos inseguros, vírus e ameças legais. Com isso, o Internet Archive, site responsável por criar uma ferramenta de salvar páginas antes que sejam alteradas ou deletadas, tem uma imagem distópica do futuro através do “Wayforward Machine” — uma ‘máquina’ do Internet Archive de prever o caos que pode ser o futuro da web.

A Wayback Machine do Internet Archive, uma organização sem fins lucrativos, continua muito popular entre os interessados ​​em ver como era uma página da web no passado, mesmo quando a página inteira ou sites da web são subsequentemente removidos. Ela é uma ferramenta extremamente útil para jornalistas, sobretudo quando há a necessidade de investigar sites ou grupos que tentam esconder seus rastros e atividades.

Os usuários podem simplesmente navegar pelo site para salvar uma página da web ou encontrar a cópia de uma página da web como ela apareceu em uma data anterior. A Wayback Machine já armazenou cerca de seiscentos e dezessete bilhões de páginas se tornou um ativo digital indispensável desde seu início, em 1996.

Quando o Internet Archive anunciou estar criando uma “Biblioteca Nacional de Emergência”, suspendendo temporariamente as listas de espera para o empréstimo de e-books em meio à pandemia, a organização sofreu um enorme processo.

As editoras — John Wiley & Sons e três das cinco maiores editoras americanas, Hachette Book Group, HarperCollins e Penguin Random House — estão tentando bloquear as operações do grupo sem fins lucrativos desde então. “Seu objetivo de criar cópias digitais de livros e fornecê-los a quem deseja baixá-los reflete um profundo mal-entendido sobre os custos de criação de livros, um profundo desrespeito pelos muitos contribuintes envolvidos no processo de publicação e um profundo desprezo pelos limites e equilíbrio dos princípios fundamentais de direitos autorais”, argumentaram os editores.

Enquanto a Wayback Machine permite que você volte no tempo, o Internet Archive criou uma “Wayforward Machine” que faz o oposto. Aqueles que visitam a Wayback Machine são agora recebidos com o seguinte banner, afirmando que os levarão vinte e cinco anos no futuro.

Captura de tela do site da Wayforward Machine, acessado em 19 de outubro de 2021.

Ao digitar qualquer endereço da web conhecido na Wayforward Machine, o visualizador é apresentado a uma série de pop-ups — todos sugerindo um futuro de pesadelo onde a vigilância governamental reina suprema e a privacidade é fortemente desaprovada. Por exemplo, ao tentar acessar o site da mídia britânica BBC, uma mensagem informa que o conteúdo do site “está protegido pelo Content Truth Gateway” — em tradução literal, “Portal da Verdade de Conteúdo”.

O site também acompanha diversos links para artigos atuais e “futuros” sobre a degradação da Internet. Uma das questões que eles lutam no tribunal no momento é o direito de emprestar livros digitais pela internet. Mas algumas das questões mais amplas para as quais eles aumentam a conscientização – como os firewalls na China, Irã e Rússia, que os impedem de compartilhar recursos livremente, e os apagões digitais impostos no Egito, Tunísia e Guiné, são tão monumentais que não há um caminho aparente para uma solução.

Também há um debate sobre paywalls — um método de restringir o acesso ao conteúdo, com um pagamento ou uma assinatura paga, especialmente para notícias.

“Custa tempo e dinheiro para ter acesso a muitas informações verdadeiras e importantes, enquanto muita besteira é totalmente grátis”

Nathan James Robinson, jornalista e editor do site norte-americano Current Affairs, citada no site da Wayforward Machine.

Ao tentar acessar o site da Amazon, um pop-up pedindo aos usuários que paguem vinte e nove dólares pelo acesso ao site aparece na tela — e o Internet Archive também prevê que plataformas de redes sociais, como o Twitter, não serão permitidas no futuro distópico.

https://cdn.mos.cms.futurecdn.net/4jcCvHZ55vPQ2gnyNdGgnY-970-80.jpg.webp
Captura de tela do site Wayforward Machine. Ao tentar acessar o site da empresa de comércio digital, Amazon, uma mensagem exibindo um paywall de vinte e nove dólares.

Eles também apresentam uma ‘linha do tempo’, com o intuito de explicar o que levou a humanidade a uma situação tão catastrófica. O epicentro é a revogação da seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações dos Estados Unidos. A seção 230 é a base legal da internet norte-americana, porque fornece uma maneira para as organizações hospedarem conteúdo gerado pelo usuário enquanto evita a responsabilidade legal por esse conteúdo. Isso permite que as empresas mantenham essa imunidade qualificada, mesmo quando moderam o conteúdo gerado pelo usuário.

Neste exato momento, políticos norte-americanos — tanto democratas, quanto republicanos — estão tentando passar um projeto de lei para derrubar a seção.

A linha do tempo da Wayforward Machine é bastante distópica, mas levanta sérios questionamentos sobre a internet e seu futuro. Por exemplo, em 2023, um consórcio internacional de notícias seria formado — o que aniquilaria a possibilidade de qualquer influência de mídias independentes e comunitárias. “Uma coalizão de organizações de notícias se funde em um monopólio global, a News Incorporated. Essa nova fusão agora controla colossais setenta porcento do mercado global de notícias.”.

Em 2027, a Wikipedia seria retirada do ar após uma série de processos. “Na esteira das novas leis de direitos autorais, a Wikipedia enfrenta uma miríade de ações judiciais por disponibilizar gratuitamente “fatos protegidos por direitos autorais”. Ele é forçado a desligar em todas as redes centralizadas, mas os artigos ainda são escritos e acessados ​​na web descentralizada”. No mesmo ano, a mídia impressa desapareceria completamente, transformando todo o conteúdo do monopólio global de notícias em conteúdo digital, atrás de um paywall.

Dois anos depois, em 2029, o Internet Archive perderia diversos processos por direitos autorais e se mudaria para o Canadá. Lá, a organização estaria prosperando, mas usuários ao redor do mundo teriam dificuldade de acessar a página por conta de legislações proibindo o acesso livre a informação. No ano seguinte, um bilionário anônimo compra jornais de centro e esquerda independentes restantes e encerra toda a produção, aniquilando toda a imprensa independente. Esta eliminação de fontes alternativas de notícias solidifica a influência do monopólio de direita de notícias.

Em 2031, os Estados Unidos seguiriam como outras nações e aprovariam legislações mais duras sobre a internet — restringindo completamento o acesso à informação. A República do Sul da Ásia — uma federação fictícia formada por ex-estados-nações da região — estabelece seu próprio “grande firewall”. Ao fazer isso, a internet restante torna-se ainda mais fraturada e o compartilhamento de informações através das fronteiras torna-se quase impossível para aqueles sem treinamento técnico significativo.

Avançando mais para o futuro, é possível notar uma soma de desastres: enquanto a internet é censurada ao redor do mundo, incentivos a educação pública decai, enquanto as mudanças climáticas são ignoradas e empresas do ramo dos combustíveis fosseis prosperam. A linha do tempo acaba em 2046, onde a imprensa livre não existe, tampouco a liberdade de informação. O Internet Archive se tornaria uma organização do ‘sub-mundo’, assim como organizações e grupos que distribuem livros gratuitos e a imprensa independente.

Analisar a Wayforward Machine de forma lúdica pode ser extremamente divertido, sobretudo para aqueles que apreciam literaturas e mídias distópicas ou do gênero cyberpunk. No entanto, ela existe por um propósito: levantar um debate sobre as crescentes censuras na internet, ao aumento dos conglomerados de mídia ao redor do mundo e a problemas sociais, como as mudanças climáticas. A ‘máquina’ é lúdica, mas poderia perfeitamente se encaixar no futuro, caso não exista mudança.



TEM UMA PAUTA?
ESTAMOS AQUI!

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?


Em destaque

RECENTES

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos, que busca usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança no futuro das novas gerações.