Google ainda veicula anúncios desinformando sobre mudanças climáticas


Pesquisadores encontraram os anúncios do Google em pelo menos 60 publicações, apesar de sua promessa em outubro de proibir a desinformação.


O Google tem lutado para manter sua recente promessa de parar de veicular anúncios em conteúdo que promova a negação das mudanças climáticas, afirma um novo relatório do Centro para Combate ao Ódio Digital, uma organização sem fins lucrativos. Isso significa que, indiretamente, a empresa ainda está financiando artigos e organizações que negam as mudanças climáticas, através do Google Ads.

A nova pesquisa identificou cinquenta artigos que incluem mentiras sobre as mudanças climáticas e que ainda apresentavam anúncios do Google após a data em que o Google disse que seriam proibidos. Em outubro, o Google anunciou uma nova política que, supostamente, proibiria, “anúncios e monetização de conteúdo que contradiga o consenso científico bem estabelecido sobre a existência e as causas das mudanças climáticas”. A nova política também seria aplicada aos anunciantes, editores e criadores do YouTube em novembro.

A organização produziu o relatório Toxic Ten, publicado para coincidir com a conferência climática das Nações Unidas em novembro. Eles utilizaram uma ferramenta de análise social de notícias para coletar mais de seis mil artigos durante outubro do ano passado, e outubro deste ano. Com isso, identificaram uma lista de dez editores que contabilizam mais de sessenta porcento das interações do Facebook com conteúdo de negação das mudanças climáticas.

O Google não é a única empresa que falhou em cumprir suas promessas. A organização também calculou que mais de noventa porcento dos artigos analisados não haviam sido marcados como conteúdo enganoso, prejudicial ou desinformação. Além disso, nenhum dos artigos havia sido checado; ‘fact-checked’, por alguma agência especializada.

Mais de 20 milhões de reais em lucro total

A organização estimou que, por anúncios, o Google recebeu de receita por vincular tais anúncios, com sua porcentagem, em peças de negação de mudanças climáticas mais de 1,7 milhão de dólares, o equivalente a mais de 9 milhões de reais segundo o câmbio atual. Já os editores receberam mais de 3,6 milhões de dólares somados, o equivalente a mais de 20 milhões de reais atualmente.

As políticas do Google envolvendo o tema se concentram em conteúdo que contradiz, especificamente, o ‘consenso científico’, sobre a existência da mudança climática. A empresa, segundo seu porta-voz Michael Aciman, foca no contexto dos textos e traça uma linha entre o que é uma falsa afirmação — que trate algo como fato — e o conteúdo que faz um ‘debate público’ sobre as mudanças climáticas.

Quando encontramos um conteúdo que vai do debate político à promoção da negação da mudança climática, paramos de veicular anúncios nessa página ou site. Revisamos as páginas compartilhadas conosco e tomamos as medidas de aplicação apropriadas.

Michael Aciman, porta-voz do Google

Isso abre uma margem para que indivíduos mal-intencionados de tais veículos se foquem em tópicos onde não há um consenso científico, justamente pela ciência ser viva e a mudança climática um fenômeno constante, e não sofram consequências. Esqueça a conversa de que plataformas não possuem culpa por seus usuários — a partir do momento que você lucra, você é responsável.




Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.