Quem nunca ouviu um colega ou parente justificar sua organização ou higiene dizendo: “Eu tenho TOC.”

Ter TOC não é só sobre ser um pessoa organizada ou metódica, o TOC não é uma brincadeira. O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é extremamente desgastante e nocivo para lidar no cotidiano. Imaginem ter pensamentos ruins constantes, como acreditar que fracassará em uma prova importante, que irá perder um familiar, ou terá problemas em um relacionamento. São esses alguns dos pensamentos perturbadores que rodam a mente de uma pessoa com TOC. A solução para essas perturbações geralmente se encontra em uma série de rituais sem sentidos, como, por exemplo: ascender e apagar as luzes um número determinado de vezes antes de se deitar para poder dormir com a mente “vazia”; subir e descer escadas sem pisar em degraus específicos para evitar algum fracasso; escovar os dentes pelo menos três vezes seguidas para que nada de mal acontece para um familiar.

Ter que conviver com essas compulsões e obsessões é por vezes insuportável, por isso em meio a uma noite de crises escrevi esse poema falando um pouco da minha experiência com esse transtorno que me acompanha há muito tempo.

Toque! TOC…

Pelo toque do TOC                                                     Medo na obsessão,                                                     Repetida a solução,                                               Mas ele não provoque 

Pois, o toque do TOC                                              Dilacera a razão,                                                   Estimula a compulsão,                                          Se debate no choque. 

Num ritual desvairado                                         Qual a lua sublinha,                                            Até a alma definha. 

Do pobre ser tocado                                             Que a vida caminha                                             Para fora dessa linha.

Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.