Um poema com medo

Passei o final de semana todo com medo, um medo exagerado, desgastante e principalmente irracional. Tentei escrever um pouco para tentar me acalmar, passar um pouco do sentimento para o caderno, porém minha paranoia era tamanha que não conseguia ler os meus poemas, o medo de não estar bom me fez arrancar inúmeras paginas do meu caderno e rescrever versos e mais versos, até perceber que qualquer coisa que fizesse naquele momento não estaria suficientemente bom — pelo menos não para mim.

Tentei dormir, ler, assistir a algum filme, mas o medo de que meu celular tocasse ou de escutar o barulho dos portões de casa se abrindo e o som do motor do carro ligando não me permitiram fazer nada. Foi um péssimo final de semana, mas felizmente acabou, e apesar dos meus medos persistirem — e provavelmente continuam por mais algum tempo — eu consegui escrever um poema e ironicamente eu estou morrendo de medo de publicá-lo.

Versos covardes

Eu sou todos os meus medos
O medo de falar, o medo de sorrir,
O medo de amar, o medo de partir.
Não vou guardar nenhum segredo, sou um só
com os meus medos.

Tenho medo de gente, medo da escuridão;
Tenho medo do futuro, da alienação;
Medo do fracasso e da decepção;
Tenho um medo pungente de solidão.

Não sinto prazer em ter medo,
Porém, o medo que me rege,
É o mesmo que me protege
Da minha intensa obsessão.

Mas que esse medo seja breve.
Vá embora! Não se apegue,
Só me sirva de lição.


TEM UMA PAUTA?
ESTAMOS AQUI!

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?


Em destaque

RECENTES

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos, que busca usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança no futuro das novas gerações.