A glamourização da miséria


“A reduflação exagerada nada mais é que o culto a miséria em um país que está acostumado a essa palavra. Mas é uma miséria ardilosa e disfarçada de praticidade e leveza.”


Um dia acordei com uma vontade exuberante de comer um chocolate de uma marca específica. Saindo da loja de conveniência dei minha primeira e mais vantajosa mordida, em sequência mais uma, alguns momentos depois outra e…acabou.

Me indagava como poderia ter acabado tão rápido, até me dar conta do pedaço de rótulo na minha mão, que estampava uma mensagem grafada informando a redução de peso. Para o meu assombro: eles vendiam aquilo como algo positivo para o consumidor, algo como “PRATICIDADE, AGORA CABE NO BOLSO”. Para o meu segundo e maior espanto: o preço continuava o mesmo de outrora, se não mais caro.

Desde então, isso é algo que vem me incomodando ainda mais nessa última década, as prateleiras repletas de mini-coisas, nos fazem sentir como Gulliver. O preço não condiz, os produtos acabam rápido e nada realmente parece nos satisfazer por mais que poucos minutos.

Essa prática é conhecida como “reduflação”, um subterfúgio das empresas para esconderem a inflação, uma tática que reduz a porção do produto em vez de elevar os preços do mesmo no mercado. Essa prática não é incomum, tampouco ilegal. Para a ABIA (Associação Brasileira da Indústria dos Alimentos) as reduções no peso ou quantidade de produtos são definidas pelas empresas de acordo com a demanda de mercado, pesquisas, mudanças de necessidade e comportamento de compra do consumidor. A ABIA diz que suas associadas informam de forma clara quaisquer alterações quantitativas no painel frontal da embalagem, em letras de tamanho e cor destacados.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cerca de 11 milhões de brasileiros são analfabetos. Ou seja, pouco importa se essas pessoas possam estar comprando produtos e alimentos sem ao menos se dar conta de que eles estão encolhendo na palma de suas mãos.

 Fora isso, a redução estampada nas embalagens com uma premissa de praticidade, alimentação equilibrada e evito de desperdícios, se configura como propaganda enganosa para a população. Povo esse que sempre sofreu na mão de grandes empresas nas relações de consumo abusivas com um toque de publicidade apelativa e pitadas de desestímulos para com a responsabilidade financeira.

A maquiagem da inflação se desfaz quando passamos a olhar com atenção. A conhecida dúzia de ovos, agora vem dez; Se torna cada vez mais comum sacos de açúcar com o peso de 800 gramas; Embalagens de biscoito cada vez menores. A sensação que o neoliberalismo nos passa é que podemos ter de tudo, desde que seja uma amostra dos mesmos. Uma porção que definitivamente vai terminar tão rápido quanto um sopro, sem ao menos nos darmos conta. Coexistimos na era das demonstrações pagas, todo produto que adquirimos com nosso dinheiro nos parece uma simplória amostra do real produto maior, porém não há, e se houver, não cabe no bolso do brasileiro, no sentido literal como eles pregam e metafórico.

A reduflação exagerada nada mais é que o culto a miséria em um país que está acostumado a essa palavra. Mas é uma miséria ardilosa e disfarçada de praticidade e leveza. O Brasil merece mais que amostras em sua prateleira, o Brasil merece um preço justo, o Brasil tem fome.


, , , ,

Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.