Migre das redes (cada vez mais) centralizadas para as distribuídas


Apesar de importante, um possível aumento das fake news no Twitter é apenas uma parte de um problema que ganha um outro vulto a partir de hoje. A Internet, que já está centralizada em poucas plataformas e corporações, fica sob o poder de menos mãos ainda. 


Por Thiago Skárnio

A notícia da compra do Twitter por Elon Musk agitou a tarde desta segunda-feira (25/4). O homem mais rico do mundo pagou U$S 44 bilhões (cerca de R$ 214 bilhões) pela rede do passarinho azul. Musk – que já é dono da empresa de exploração espacial SpaceX e da fabricante de carros elétricos Tesla –  havia comprado 9,2% da mídia social em março e desde então tem “ameaçado” adquirir toda a plataforma por conta das suas ações de moderação e banimentos. Tais críticas são o principal motivo da apreensão dos atuais usuários do Twitter, que colocaram a hashtag #RIPTwitter nos assuntos mais comentados. O temor é que com a nova direção a propagação de fake news aumente.

Apesar de importante, um possível aumento das fake news no Twitter é apenas uma parte de um problema que passa a ganhar um outro vulto a partir de hoje. A Internet, que já está centralizada em poucas plataformas e corporações, fica sob o poder de menos mãos ainda. 

Outra assunto levantado pelos usuários do Twitter é a migração para outras mídias sociais, como o Mastodon, uma ótima opção por ser uma plataforma de código aberto e federada. É sempre bom lembrar que o Mastodon faz parte de um conceito maior, que é o Fediverso, um conjunto de servidores federados utilizados para hospedagem de arquivos e publicação na web. Um conjunto de plataformas de mídias sociais que, mesmo instaladas em servidores independentes, permitem a comunicação direta entre os usuários por meio de protocolos de comunicação comuns. Os usuários não só se comunicam entre essas redes, como também podem criar suas próprias plataformas.

A Associação Cultural Alquimídia realizou recentemente um ciclo de oficinas sobre as principais plataformas do Fediverso. É deste material que extraímos as seguintes sugestões de plataformas e “instâncias” (como são chamadas as instalações nos servidores) para os usuários falantes da língua portuguesa.

Friendica

A Friendica (antes conhecida por Friendika) é uma plataforma com opções avançadas de privacidade e comunicação com tantas outras redes sociais quanto forem possíveis. Instâncias recomendadas: Libranet, Poliverso e Friendi.

Mastodon

Software voltado para comunidades independentes baseadas em interesses comuns. Instâncias recomendadas: Ursalzone, Social.coletivos, Mastodon.social.

Pixelfed

Pixelfed é uma plataforma federada de compartilhamento de imagens apresentadas como uma alternativa de código aberto para fotógrafos e designers. Instância recomendada: link.

PeerTube

PeerTube é uma plataforma de vídeo que usa tecnologia peer-to-peer (de usuário para usuário). É uma ótima opção para assistir e distribuir vídeos na Internet. Instância recomendada: link. Outras opções podem ser encontradas aqui e aqui. Outras plataformas e instâncias podem ser encontradas nos seguintes endereços eletrônicos: aqui e aqui.

Seja qual for a plataforma que você criar a sua conta, siga o perfil da Alquimídia no Fediverso: @rede@alquimidia.org. Neste link você encontra as gravações de nossas oficinas e em breve lançaremos tutoriais de uso das principais plataformas. 


Material publicado originalmente na Alquimídia.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser totalmente anônimo, tá?


  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciamos as notas, reportagens curtas sobre temas relacionados às eleições de segundo turno.

  • A falta da política externa

    A falta da política externa

    , ,

    Às vésperas da eleição mais importante desde a redemocratização, e ainda sob efeito da ressaca moral que assola o país após o clássico debate presidencial da Rede Globo, a ausência da política externa como pauta de discussão demonstra o enorme apequenamento do Brasil.

  • Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam  apoio militar na Ucrânia

    Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam apoio militar na Ucrânia

    , , ,

    Muitos americanos pensam que Biden deveria se apressar e encontrar um acordo diplomático. Mas para os apoiadores da Ucrânia, seja à esquerda ou à direita, a resposta é que Biden se apresse e vença, dando à Ucrânia mais ajuda militar e aceitando mais riscos.

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nós seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.