Capitu trairá Bentinho na festa das garotas bonitas?


Envolto na preguiça de um sábado frio no Rio de Janeiro, às 10h da manhã caminhei em direção ao metrô da Siqueira Campos a fim de ir até à Pavuna.


Envolto na preguiça de um sábado frio no Rio de Janeiro, às 10h da manhã caminhei em direção ao metrô da Siqueira Campos a fim de ir até à Pavuna. Para chegar à estação, atravessei pela Anita Garibaldi, rua arborizada, residencial, um dos redutos silenciosos de Copacabana, onde senhoras passeiam junto de cães. Obras de manutenção da Prefeitura invadiam uma das calçadas — um paraíso de silêncio se perderá em ruídos por alguns dias. E as senhoras mais os cães, entre palavras e latidos, reclamarão uns com os outros.

No metrô, John Carlos transmutava o trem em um palco de rimas improvisadas: “No colo da mamãe, tá o pequeno Spiderman, aproveite a infância que é a melhor fase que tem”. Como a performance artística nos vagões é proibida pelo governo, quando as portas se abriam o rapper logo silenciava: “Agora o que a gente faz, pros guardinha não me expulsar, pausa pros comerciais”. Contagiando os viajantes com risadas, nenhum Dom Casmurro à vista para ignorá-lo, todos o protegeriam da lei.

Quando John saiu, uma mulher bem baixa e gordinha, de voz afinada, talvez portadora de alguma deficiência, entrou no vagão solicitando dinheiro. Em seguida, saíram diversos passageiros na Uruguaiana. Antes de sair, uma criança apelidada pelo rapper de Ben 10 olhava entre curiosa, assustada e empática para a personagem circense — estranhando o que os adultos familiarizaram.

De lá até a Estácio, sem as rimas de John nem as falas da pedinte, o silêncio artificial do trem me perturbava. Assim como Jim Morrison, o poeta-xamã, suplicava ao grande criador do ser, caso haja algum: “conceda a nós mais uma hora para performarmos a nossa arte e para aperfeiçoarmos a nossa vida”.

Na Estácio, estação de transferência, a maioria desceu. De lá até São Cristóvão, observava uma moça de descrição autoral desnecessária, porque Machado de Assis a criara. Os olhos eram de cigana oblíqua e dissimulada. Assim que o trem parou, desviei o rosto para o lado oposto dela. Quando retornei, Capitu sumira como uma onda no mar.

Nos arredores de Triagem, o metrô paralisado na superfície, uma distante bandeira do Brasil tremulava alto: os dizeres “Ordem e Progresso” voavam parados. Dentro do trem, um cadeirante entregava um cartão para as pessoas:

 “OI SERA QUE VOCÊ PODE ME AJUDAR A COMPRAR UMA CADEIRA DE RODAS MOTORIZADA? FAÇA ISSO POR MIM, POR FAVOR!! MUITO OBRIGADO, DEUS TE ABENÇOE!!”.

Até a Pavuna, uma mãe desempregada vendia balas de hortelã e de morango com a filha bebê no colo. De repente, uma personagem me tragou a atenção: era uma senhora de traços semitas, de rosto demasiado enrugado — a cada tosse as rugas enrugavam mais profundamente —, de olhos entre o verde e o azul. Na testa, óculos escuros marrons repousavam. Vestia um vestido longo e agarrava uma bolsa, ambos coloridos e floridos, complementados por um par de brincos psicodélicos e por tênis brancos. A idosa deu dois reais ao cadeirante. Levantou do banco, com auxílio de um desconhecido, para sair em Coelho Neto.

Retornei, da Pavuna para a Estácio, pelo mesmo trem, embora mais vazio, mais frio. Com esforço, o cadeirante mudo se arrastou pelo caminho percorrido antes. Recebi um segundo cartão, de uma surda-muda venezuelana. A imigrante passava por problemas financeiros, assim como mais uma desempregada surgida depois. De acordo com dados do IBGE, no primeiro trimestre de 2022 havia 11,9 milhões de desempregados no Brasil.

À frente de mim, uma mulher disse a alguém pelo celular estar em posse do atestado de óbito. Chorava um pouco, amparada por uma outra moça, talvez parente, talvez amiga. Era a morte. Ao meu lado, duas garotas bonitas viajavam para uma festa. A de vestido branco curto, mais próxima de mim, temia o atraso. Era a vida.

Dividia-me entre o desejo de abraçar a enlutada e o de festejar junto das meninas. O desejar se equilibrava trêmulo nas névoas, na fronteira inabitável entre a vida e a morte. Quando trocamos para um trem mais cheio em direção à Zona Sul, de pé as jovens me encaravam por alguns segundos para em seguida retomar a conversa: preenchiam-me de mistério, de atração. Festejariam comigo algum dia? A segunda delas, a mais atraente, vestia roxo. Na Uruguaiana, desceram. Imagino as garotas bonitas vagando a procurar Capitu, onda verde imersa no mar azul, para festejarem todas as três juntas.



Eleições

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Como que vota o estudante da UFBA?

    Como que vota o estudante da UFBA?

    ,

    Lula é candidato quase unânime, e economia não é o tema mais importante para eles.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser totalmente anônimo, tá?


  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciamos as notas, reportagens curtas sobre temas relacionados às eleições de segundo turno.

  • A falta da política externa

    A falta da política externa

    , ,

    Às vésperas da eleição mais importante desde a redemocratização, e ainda sob efeito da ressaca moral que assola o país após o clássico debate presidencial da Rede Globo, a ausência da política externa como pauta de discussão demonstra o enorme apequenamento do Brasil.

  • Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam  apoio militar na Ucrânia

    Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam apoio militar na Ucrânia

    , , ,

    Muitos americanos pensam que Biden deveria se apressar e encontrar um acordo diplomático. Mas para os apoiadores da Ucrânia, seja à esquerda ou à direita, a resposta é que Biden se apresse e vença, dando à Ucrânia mais ajuda militar e aceitando mais riscos.

  • Deus esteve em São Paulo

    Deus esteve em São Paulo

    ,

    Deus nasceu no Rio de Janeiro, cresceu em Minas Gerais e, na noite do último domingo, 26, esteve em São Paulo, das 20h às 22h20. Eu estava lá. Eu vi Deus!

  • Canal bolsonarista  espalha conspiração sobre Edward Snowden

    Canal bolsonarista espalha conspiração sobre Edward Snowden

    , ,

    Em mais uma onda de fake news, canal bolsonarista no Telegram espalha que Edward Snowden revelou plano de “manipulação geofísica” contra eles a partir do projeto HAARP.

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nós seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.