É o cantar dos passarinhos pela manhã.
É o café quente.
É o pão caseiro e manteiga derretida.

São as reclamações e os elogios.
Os banhos longos.
A vida repleta de histórias.
Os cachorros e os gatos.

Mãe-vó, quão grata eu sou a vida por ter tido você.
Ter tido, por completa, a experiência de ser desejada e celebrada por alguém que não esperava nada em troca.
O ser mais puro que já pude deitar meus olhos, o ombro mais forte que já me foi oferecido.

A linhagem das mulheres mais fortes que conheço provém toda de teu ventre.
São passos, já trilhados por ti, que caminhamos sobre.

A lacuna em minha vida, desde tua partida, nunca será preenchida por nada. Pois em toda a existência não há ninguém que chegue aos seus pés para substitui-la em meu coração.

A pequena eu, que buscava sua aprovação ao retornar da escola ou o seu colo durante a madrugada, ainda existe e se devasta por sua ausência.

Em minhas veias, que sempre correram palavras e frases completas graças aos livros que você leu pra mim, hoje se encontram secas ao procurar o mínimo para te escrever.
E o amor mais puro que já senti é esse que encho minhas mãos e sopro pra ti.

Sua cama vazia, está repleta de saudades minhas. Suas roupas guardadas estão molhadas de lágrimas.
Seus perfumes favoritos são exaltados por me trazer um pouco de presença sua, que eu anseio tanto.

Nunca estarei sozinha porque uma parte sua navegará dentro de mim sempre.
Um pedaço seu sempre estará grudado a minha própria carne, o seu sangue sempre correrá pelas minhas veias. E enquanto eu estiver viva você também estará pois eu sou feita de ti.

Em memórias distantes, seus cabelos ainda pretos são iluminados por fechos de luz no nosso quintal. Sua voz canta pra mim, a minha canta pra ti. Sua alegria inunda todo o ambiente, tudo é preenchido por você e não há no mundo lugar mais pacífico que esse.

Vó, que você seja coberta pelos mais lindos lençóis de cetim, o mais azul dos mantos, o mais quente dos abraços, sob o céu mais limpo e iluminado.
Que as estrelas iluminem seus cabelos brancos, seus dentes compridos, e suas bochechas rosadas.
Que seu riso ecoe por corações vazios, mentes turbulentas e nas pontas das minhas memórias.
Que eu nunca esqueça do toque de seus dedos, do tom da sua voz, do cheiro das suas roupas, do calor do seu colo e da paz do seu abraço.

Você será eternamente aquela que nunca foi. Porque, eternamente, estará viva em meu coração.

Sabiá

Somos uma publicação digital e independente lançada em 15 de julho de 2020 por um grupo de jovens brasileiros que querem democratizar o acesso à informação no Brasil. Nossa redação funciona remotamente e sem financiamento ou fins lucrativos, com mais de 40 integrantes e colaboradores.