Uma análise do perfil de candidaturas apresentado pelo (Tribunal Superior Eleitoral) mostra que partido de Bolsonaro aposta em eleição de candidaturas na região Nordeste. O movimento pode ser possivelmente uma forma de atingir candidaturas de oposição, uma vez que a região é considerada o maior eleitorado de esquerda no Brasil.

De acordo com apuração, dados do TSE apontam que o PL hoje possui o maior número de candidaturas na região Nordeste, com partidos de direita e centro-direita ocupando outros lugares importantes no pódio. O PL lançou 497 candidaturas nordestinas este ano. Foi um aumento em 500% em comparação as eleições nacionais de 2018, que teve apenas 98 candidaturas do partido na região.

Ainda segundo nossa apuração, partidos de esquerda tem menos candidaturas em comparação com dados de 2018. O PT (Partido dos Trabalhadores), por exemplo, possui 293 candidaturas na região. O partido de Bolsonaro ganha em número de candidaturas até mesmo da Federação Brasil da Esperança, uma união de partidos de esquerda e centro-esquerda no país, com 480 candidaturas no Nordeste.

O movimento pode ser visto como uma tentativa de minar o apoio histórico da região às legendas de esquerda e construir uma nova bancada bolsonarista no Congresso. Atualmente, o PL é o partido com maior número de deputados na Câmara.

A apuração vem em meio a denúncias de desvio de recursos do governo Bolsonaro destinados a operações de abastecimento de água no Nordeste. Segundo o jornal Estado de São Paulo, poços abertos foram abandonados sem a conclusão das obras, incapazes de levar água aos moradores. Os gastos somam R$1,2 bilhão. Ainda segundo o jornal, há suspeitas de irregularidades em licitações milionárias.

Sabiá

revista o sabiá é uma revista independente, digital e sem fins lucrativos. Surgimos com o propósito de democratizar o acesso à informação de qualidade para a juventude brasileira, seja ela a informação acadêmica, jornalística, científica ou cultural.

Acreditamos que tanto o jornalismo como a comunicação possuem o potencial de mudar o mundo, sendo necessário reaver a sua função social. Ao longo da história moderna, o senso comum costuma lembrar do lado negativo que a imprensa ao contribuir ou participar de narrativas políticas polêmicas. Nós, pelo contrário, gostamos de pensar que a imprensa teve um papel essencial em eventos como o Maio de 1968, a Primavera Árabe e muitos outros.