Bolsonaro na Sabatina do Jornal Nacional: O Veredito


Os primeiros vinte minutos foram sobrecarregados de desinformação e mentiras sobre as urnas eletrônicas, negação sobre difamar ministros do STF, tratamento precoce e imitação de pessoas com falta de ar na pademia da COVID-19.


Segundo o historiador alemão Walter Langer, as pessoas consideravam Adolf Hitler divertido, não o levavam muito a sério e acreditavam que ele não iria durar muito. No Brasil, Jair Bolsonaro sempre foi presença marcante na TV, visando alavancar a audiência de alguns programas com sua retórica limitada e polêmica. “Hoje aquele deputado engraçado vai no SuperPop”, diziam.

Quase ninguém acreditava que as suas ideias preconceituosas e abjetas, pudessem ser absorvidas pela nossa sociedade, a ponto de elevá-lo a condição de chefe de estado. Ideias que foram levadas por Bolsonaro na segunda-feira (22), mais uma vez, em sabatina feita pelo Jornal Nacional, o maior telejornal em audiência do Brasil.

Sem um “boa noite” aos entrevistados, por quarenta minutos, o chefe de estado se dirigiu ao povo brasileiro e respondeu questionamentos dos apresentadores William Bonner e Renata Vasconcellos. “Respondeu” nos moldes de fabulações e distorções que foram habitualmente articuladas durante seus 4 anos de mandato.

Os primeiros vinte minutos foram sobrecarregados de desinformação e mentiras sobre as urnas eletrônicas, negação sobre difamar ministros do STF, tratamento precoce e imitação de pessoas com falta de ar na pademia da COVID-19. Além disso, a dificuldade maior do presidente e candidato a reeleição foi conter sua impulsividade e hostilidade perante os jornalistas.

Ante a insistência de William Bonner para que assumisse o compromisso de que respeitará o resultado das eleições, Bolsonaro colocou a resposta no condicional “desde que limpas”. Como se a pressão persistisse – “está posto que são limpas”, pontuou Bonner -, acabou por pedir para que mudasse de assunto. Sem espaço para o proselitismo, o condicionante se esvaziou e Bolsonaro se deu conta de que já não teria mais o que tirar dali.

O candidato respirou melhor quando o foco mudou para economia. O propósito foi alcançar um desempenho que pudesse satisfazer a bolha bolsonarista. Sua apatia com as 33 milhões de pessoas passando fome no país e 682 mil mortes pelo coronavírus não foi uma atitude ultrajante. Foi um sinal de que tudo ocorreu como deveria. Jair Bolsonaro é isso.

Até na política ambiental, que levou à queda do ex-ministro Ricardo Salles, Bolsonaro não perdoou. Mencionou Salles, que queria passar a boiada, como um dos grandes ministros que seu governo já teve. E comparou os incêndios no cerrado e na Amazônia àqueles que atingem a Europa no verão no Hemisfério Norte. Manteve a orientação, questionada pela Renata Vasconcellos, de que o Ibama não poderia destruir tratores usados no desmatamento sob a justificativa de que defendia o cumprimento da lei – “É mentira que sou um destruidor de florestas”.

O momento mais grave foi quando o candidato repetiu declaração sobre a fiscalização das urnas, que “não são auditáveis” e que também “as Forças Armadas vão garantir o pleito”. Por esse ponto, para Bolsonaro, só haverá eleições se as Forças Armadas participarem ativamente.

A avalanche de mentiras pode ter sido danosa até mesmo entre os eleitores menos radicais. Ou seja, o formato em que Bolsonaro estava debatendo suas ideias dissimuladas era em um programa de televisão ao vivo, onde as mentiras ficam mais vaporosas. Basta um google e ver o que presidente exatamente negou ou mentiu na sabatina.

“Queria ficar mais duas horas aqui com vocês”, finaliza Bolsonaro. Os aliados comemoram a brandura com a qual foi capaz de mentir por 40 minutos, principalmente aqueles que advogavam pela moderação.

Para quem não vota nele, nenhuma novidade em termos de repulsa. Para quem vota, houve um reforço positivo de suas convicções. O problema para Jair Bolsonaro é que ele está em segundo lugar na corrida das eleições de outubro e precisa conquistar 300 mil votos em menos de 40 dias.


, ,

Eleições

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.


  • Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Bolsonaro retém R$2,4 bilhões do MEC

    Planalto divulga decreto anunciando A retenção de 2,4 bilhões de institutos e universidades federais. A medida vale para despesas não obrigatórias, como recursos de assistência estudantil, salários de funcionários terceirizados e muitos outros.

  • Dezesseis anos de WikiLeaks

    Dezesseis anos de WikiLeaks

    , , , ,

    No mês de aniversário de 16 anos do WikiLeaks, é imprescindível lembrar que a organização se tornou uma questão controversa e divisória entre as organizações de direitos civis; maioria concorda com o valor inegável que o WikiLeaks teve ao denunciar violações de direitos humanos e liberdades civis.

  • Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    Alanzoka, Casimiro e outros streamers da Twitch declaram voto

    , ,

    Streamers com grande audiência revelam em qual candidato votam no segundo turno das eleições 2022.

  • Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    Três youtubers bolsonaristas que chegam ao Congresso

    ,

    Três youtubers foram eleitos este ano, e todos estão associados a fenômenos de violência. Gustavo Gayer e Nikolas Ferreira são propagadores de um discurso político violento, enquanto o Delegado da Cunha é conhecido por publicar vídeos de operações policiais degradantes à comunidades paulistanas.

  • Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Bolsonarista prejudica eleição ao votar duas vezes em Lisboa; entenda o caso

    Para especialista em Direito Eleitoral, o Cônsul-geral do Brasil em Lisboa poderia se envolver na convocação dos eleitores se comprovados que os votos anulados poderiam afetar o resultado da eleição de 1º turno.

  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser anônimo, tá?

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.