‘Ithaka’ | Documentário conta o caso de Assange nas lentes da família


Ithaka é um enigmático estudo de personagem do pai de Assange, John Shipton, obra magistral que impressionará os apoiadores de Assange, bem como aqueles que não entendem profundamente sobre o caso.


Ithaka‘ é o mais recente e pertinente documentário que explorou uma vertente da batalha contemporânea sobre nossas liberdades individuais e que continua a ter consequências a longo prazo para todos nós – estejamos cientes disso ou não.

Neste novo documentário dirigido por Ben Lawrence e produzido pelo irmão de Assange, Gabriel Shipton, temos a medida do preço que os EUA cobraram do fundador do WikiLeaks. Desde 2010, Julian Assange vem lidando com perseguição política e lawfare do Departamento de Justiça dos EUA.

Ithaka, sem dúvida, se concentra na batalha de Assange contra o governo dos EUA, que está tentando extraditá-lo para uma prisão de segurança máxima norte-americana sob acusações de espionagem. São crimes que nunca foram julgados antes contra jornalistas, e cuja criminalização é difícil de compreender considerando o tão elogiado direito constitucional americano à liberdade de expressão.

Como sugerido por protagonistas no documentário, principalmente o pai de Assange, John Shipton, o caso todo soa como uma vingança; uma razão incoerente e indefensável para colocar alguém em uma jaula e jogar a chave fora. “No entanto, aqui estamos nós, a batalha ainda continua”, diz John.

Na maior parte do documentário são relatadas as batalhas legais de Assange em 2019 e 2020 na preparação para o primeira luta judicial no tribunal britânico. Durante esse período, somos apresentados aos tormentos enfrentados pela equipe de Assange, como a CIA grampeando a Embaixada do Equador onde Assange esteve em asilo e a pandemia de coronavírus, que resultou no lockdown das prisões (e, consequentemente, de prisioneiros).

Combinando os elementos mais sérios e factuais do caso com as relações familiares, Ithaka fornece uma exploração intrigante dos custos do julgamento tanto para a família de Assange, que é forçada a viver separada, quanto para o futuro do trabalho do jornalismo pelo mundo.

Toda a história do WikiLeaks e parte da vida de Assange são abordadas através de imagens antigas e entrevistas. As atitudes de Assange em relação ao sigilo e transparência são exploradas através de conversas com aqueles que o conhecem mais intimamente, evitando filmagens de entrevistas reais ou citações dele. Formato que ajudou a manter o foco do filme, que não é necessariamente Julian Assange e suas crenças.

O pai, o irmão e a esposa de Assange, Stella Moris, se declararam porta-vozes de Julian, que não pode mais falar por si mesmo. Vemos Assange aparecer apenas em imagens e vídeos históricos, como também em imagens sendo carregado para dentro de uma van da polícia londrina ou andando de skate dentro da embaixada equatoriana. Caso contrário, Assange seria apenas uma voz desencarnada ou uma imagem no smartphone de Stella.

Ithaka é, portanto, um documentário gratificante e informativo que oferece uma oportunidade única de questionar o método jurídico do caso de Assange, o papel da mídia, suas crenças e preconceitos pessoais. No final, você pode se surpreender com o que descobre sobre a influência da imprensa em sua opinião.


Tem uma pauta?
Estamos aqui

Toda ideia tem o potencial de ser uma boa ideia. Gostamos de ouvir ideias de pauta, denúncias ou sugestões de nossos leitores. Se quiser compartilhar, conte conosco — e olha, pode ser totalmente anônimo, tá?


  • Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    Após infiltração, grupos bolsonaristas no Telegram reforçam moderação

    ,

    Dois dias após o primeiro turno das eleições, usuários de esquerda passaram a infiltrar grupos bolsonaristas no Telegram. O resultado foi o reforço da moderação por parte dos administradores, e a aposta em teorias conspiratórias.

  • Todo fascista é corno

    Todo fascista é corno

    ,

    Não é difícil entender que a vontade de escrever é nula, assim como a vontade de acordar, sair da cama e realizar que esse bando de corno não tem mais medo de cantar aos quatro ventos: “sou fascista na avenida e minha escola é a mais querida dos reaça nacional!”.

  • No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    No Telegram, bolsonaristas espalham fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste

    ,

    Grupos bolsonaristas no Telegram reforçam táticas xenofóbicas e criam fake news sobre eleitores mortos votando no Nordeste.

  • Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciando um novo modelo: notas

    Anunciamos as notas, reportagens curtas sobre temas relacionados às eleições de segundo turno.

  • A falta da política externa

    A falta da política externa

    , ,

    Às vésperas da eleição mais importante desde a redemocratização, e ainda sob efeito da ressaca moral que assola o país após o clássico debate presidencial da Rede Globo, a ausência da política externa como pauta de discussão demonstra o enorme apequenamento do Brasil.

  • Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam  apoio militar na Ucrânia

    Pesquisa aponta que norte-americanos desaprovam apoio militar na Ucrânia

    , , ,

    Muitos americanos pensam que Biden deveria se apressar e encontrar um acordo diplomático. Mas para os apoiadores da Ucrânia, seja à esquerda ou à direita, a resposta é que Biden se apresse e vença, dando à Ucrânia mais ajuda militar e aceitando mais riscos.

Seja notificado de novas publicações, assine.

Ao se inscrever, o WordPress te atualiza gratuitamente toda vez que publicamos algo novo. Assim, você pode acompanhar nossa redação! Não se esqueça de nós seguir nas redes sociais.

A revista o sabiá é um veículo de mídia independente e sem fins lucrativos criado e equipado por jovens. Buscamos usar o jornalismo e a comunicação como um mecanismo de mudança do futuro das novas gerações.