Não desistir, não retroceder, sempre evoluir: anunciamos novo projeto editorial

Não queremos apenas noticiar eventos importantes, mas ter um impacto positivo a longo prazo na juventude brasileira. E por isso, aprovamos um novo projeto editorial.

Não desistir, não retroceder e sempre evoluir: três pontos necessários para qualquer organização de imprensa independente no atual cenário brasileiro. Nossa equipe esteve de férias entre os dias 21 de dezembro e 11 de janeiro, mas observou com cautela e preocupação a escalada do extremismo no Brasil, que está, inclusive, cooptando cada vez mais jovens.

Mas o problema do extremismo não é de hoje, assim como muitos outros no Brasil. Pouco antes do começo de nosso recesso, havíamos noticiado em parceria com a Ponte Jornalismo sobre um relatório de pesquisadoras denunciando métodos de cooptação de jovens brasileiros para a extrema direita.

No final, estamos cansados de entrar no ciclo da imprensa de falar sobre mesmos assuntos sem uma estratégia a longo prazo. Não queremos apenas noticiar eventos importantes, mas ter um impacto positivo a longo prazo na juventude brasileira, que sofrerá por décadas os saldos da extrema direita nos últimos quatro anos.

Por esse motivo, na última sexta-feira, 6 de janeiro, aprovamos em votação o novo projeto editorial. Participaram da reunião os quatro integrantes do conselho editorial, três editores e a liderança do setor de mídia. Todos votaram a favor do projeto.

Anunciamos, ainda, o ingresso de Luiza Zacarias como editora-adjunta, cargo administrativo com posição no conselho editorial.

Nosso novo projeto editorial se divide em 4 setores. São eles:

  • Edições digitais: a produção de conteúdo escrito agora se volta para edições digitais publicadas a cada 45 dias, totalizando 8 ao ano. As edições serão temáticas e todos os formatos de texto anteriormente publicados na revista serão exclusivo para as digitais. Elas permanecerão gratuitas e disponíveis para download em nosso site. Todos os textos irão ao ar no site após o lançamento das edições.
  • Site: em nosso novo projeto, o site da revista será mantido por reportagens, que serão limitadas ao site; e entrevistas. Artigos só serão publicados no site por motivos adversos, como fator histórico e temporal.
  • Reportagens: nosso setor de reportagens agora está em encargo da editora-chefe, com auxílio dos assistentes editoriais, e publicará apenas pautas relacionadas, voltadas ou que envolvam a juventude de alguma forma. Não repercutiremos notícias de outros veículos sem apuração própria.
  • Audiovisual: além do site, entrevistas serão publicadas em formato de podcast, visando aumentar a acessibilidade do conteúdo. Também voltaremos com temporadas semestrais do podcast Sabiá Explica.

Anunciamos de antemão que o tema para a nova edição digital, de número , será “Mudanças para 2023”. Lançaremos na primeira semana de março. Leitores que queiram ter textos publicados nas edições digitais devem enviá-los por este e-mail.

Compreendemos que em um mundo onde jovens são treinados a terem conteúdo e entretenimento constante, alguns de nossos leitores possam discordar do novo projeto editorial, mas pedimos confiança e paciência.

Estamos muito animados com o novo editorial e temos certeza que os leitores amarão os novos conteúdos e projetos.

Assinam, conselho editorial (Sofia Schurig, Luiza Zacarias, Bruna Dalmas, Gabriel Sampaio), editores (Leonardo Dresch, Giovana Batisti, Mariana Passos), liderança de mídia (Caru Campos) e assistentes editoriais (Sofia Augusto e Carla Queiroz).



Relacionado



Conheça o podcast


Assine e receba notificações sempre que postarmos algo novo!


Quer escrever com a gente? Fala com o editorial:


Do Pegasus às joias

Uma história de opressão e crueldade que ecoa nos horrores do passado, lembrando-nos que a luta pelos direitos humanos ainda tem um longo caminho a percorrer

I Love Big Brother

O objetivo do banimento e da censura não é expelir ideias odiosas e nem ilegais; é afugentar ideias divergentes.

“A minha resposta é simplesmente voltar ao papel e escrever mais letras” — G Fema

G Fema, rapper portuguesa, tem conquistado espaço no cenário musical com uma obra marcada pelo feminismo e pela sensibilidade em relação às suas origens cabo-verdianas. Em seu último single, “Ami É Fema”, a artista presta homenagem às mulheres que lutam por representatividade em uma sociedade dominada por homens. A rapper também se insere no movimento…

Elon Musk me irrita

Enquanto você se preocupa com os tweets de Elon Musk, o Twitter abarca e lucra cada vez mais com extremistas de direita, não consegue conter pornografia infantil e explora a mão de obra de seus funcionários.

Um grito punk no Carnaval de São Paulo

Para ocupar as ruas é necessário ter responsabilidade!” Assim começa a convocação de carnaval do Bloco 77, que neste ano comemora 10 anos de fundação. Entre a folia e a luta, contamos um pouco sobre a história dos “Originais do Punk”.

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.